Ultimas Notícias
Página Inicial / FIXO / Instituto Tecnológico Vale: Evoluir é cuidar do futuro

Instituto Tecnológico Vale: Evoluir é cuidar do futuro

 

[Informe publicitário]

Cuidar da qualidade das águas fluviais da bacia do Rio Itacaiúnas. Esse é o objetivo de uma pesquisa desenvolvida, desde 2012, pela Vale por meio do Instituto Tecnológico Vale (ITV) no sudeste do Pará. O trabalho monitora os recursos hídricos, desenvolvendo uma base de dados e ferramentas que garantem a análise e o uso sustentável deste recurso natural.

 

A bacia hidrográfica do Rio Itacaiúnas está subdividida em seis sub-bacias, que abastecem 10 municípios paraenses: Água Azul do Norte, Canaã dos Carajás, Curionópolis, Eldorado do Carajás, Marabá, Parauapebas, Piçarra, São Geraldo do Araguaia, Sapucaia e Xinguara. Por meio de oito estações hidrometeorológicas instaladas ao longo da bacia é possível coletar diversos dados e informações como direção e velocidade do vento, temperatura, umidade relativa do ar, pressão atmosférica, volume de chuvas, variação no nível e vazões dos rios e, assim, monitorar e conhecer o funcionamento dos rios que compõem a bacia e avaliar a qualidade da água que é devolvida aos rios. Além de saber qual a disponibilidade hídrica da bacia e como essa disponibilidade pode afetar o abastecimento de água para os ecossistemas e para a população.

O projeto conta com uma parceria importante com a Agência Nacional de Águas (ANA) e a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (SEMAS), que fazem a recepção e armazenamento dos dados transmitidos pelo satélite GOES, disponibilizado pelo Serviço Geológico norte-americano, em seus computadores.

Além das pesquisas realizadas dentro do projeto, o Itacaiúnas ajuda a fomentar outras pesquisas desenvolvidas na região, como a do professor Marcos Leite, diretor do campus rural do IFPA, em Marabá, que utilizou os dados da estação instalada dentro do campus para dar mais precisão a sua tese de doutorado que ajuda agricultores locais a melhorarem seus sistemas de produção, aumentado a qualidade e a renda.

Segundo o professor, além de contribuir com o desenvolvimento sustentável e com a manutenção e preservação dos rios da bacia, o projeto Itacaiúnas é um grande incentivador para a comunidade cientifica local, por fornecer recursos importantes para outros pesquisadores, que antes contavam apenas com dados gerais, o que afetava a precisão das suas pesquisas.

Saiba Mais

Dentre as linhas de pesquisa do projeto Itacaiúnas, está a mensuração dos impactos das unidades Vale na bacia do Itacaiúnas. Com o objetivo de investigar a qualidade da água antes de passarem pelas operações da empresa, a pesquisa coleta amostras de água superficial em 18 pontos estratégicos e avalia se essas operações estão afetando o nível dos cursos d’água que compõem a bacia.

Segundo Renato Silva Júnior, coordenador técnico do projeto Itacaiúnas, o percentual de água captada que é devolvida aos rios pelas unidades Vale está muito acima da indústria. Aproximadamente 80% da água são devolvidas aos rios da bacia.

Um projeto, várias pesquisas e só um objetivo: inovar fazendo mais e melhor pelo planeta.