CORUJÃO DA SAÚDE: COM QUATRO POSTOS ABERTOS ATÉ MEIA NOITE MAIS 150 ATENDIMENTOS FORAM REALIZADOS

Ontem, 02 de agosto, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) iniciou nova fase do Projeto Corujão da Saúde, que antes acontecia somente em uma unidade, de forma itinerante, este mês passa para três UBS (Unidade Básica de Saúde) fixas, às quartas-feiras e sábados. Assim, os atendimentos médicos, que estavam na média de 30 por noite, chegaram 154 consultas nessa primeira ação, ou seja, aumento superior a 413%.

Segundo Camila Chagas Lopes, diretora da Atenção Básica na SMS, os procedimentos em geral tiveram aumento superior a 50% em ralação à metodologia anterior.

Veja o resumo dos atendimentos:

Consultas médicas: 154; consultas de enfermagem: 15; outros procedimentos de enfermagem: 54; Curativos: 4; Vacinas: 4; material para Preventivo do Câncer de Colo do Útero (PCCU): 3 coletas.

Este mês, o Corujão da Saúde está simultaneamente nas UBS Enfermeira Zezinha, Folha 23; Carlos Barreto, em Morada Nova; e Laranjeiras, no bairro de mesmo nome, às quartas-feiras de 18 horas à meia noite e, aos sábados, das 8h às 14 horas.

(Fonte: PMM)

Compartilhe:

Instituto Tecnológico Vale: Evoluir é cuidar do futuro

  [Informe publicitário] Cuidar da qualidade das águas fluviais da bacia do Rio Itacaiúnas. Esse é o objetivo de uma pesquisa desenvolvida, desde 2012, pela Vale por meio do Instituto Tecnológico Vale (ITV) no sudeste do Pará. O trabalho monitora os recursos hídricos, desenvolvendo uma base de dados e ferramentas que garantem a análise e o uso sustentável deste recurso natural.   A bacia hidrográfica do Rio Itacaiúnas está subdividida em seis sub-bacias, que abastecem 10 municípios paraenses: Água Azul do Norte, Canaã dos Carajás, Curionópolis, Eldorado do Carajás, Marabá, Parauapebas, Piçarra, São Geraldo do Araguaia, Sapucaia e Xinguara. Por meio de oito estações hidrometeorológicas instaladas ao longo da bacia é possível coletar diversos dados e informações como direção e velocidade do vento, temperatura, umidade relativa do ar, pressão atmosférica, volume de chuvas, variação no nível e vazões dos rios e, assim, monitorar e conhecer o funcionamento dos rios que compõem a bacia e avaliar a qualidade da água que é devolvida aos rios. Além de saber qual a disponibilidade hídrica da bacia e como essa disponibilidade pode afetar o abastecimento de água para os ecossistemas e para a população. O projeto conta com uma parceria importante com a Agência Nacional de Águas (ANA) e a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (SEMAS), que fazem a recepção e armazenamento dos dados transmitidos pelo satélite GOES, disponibilizado pelo Serviço Geológico norte-americano, em seus computadores. Além das pesquisas realizadas dentro do projeto, o Itacaiúnas ajuda a fomentar outras pesquisas desenvolvidas na região, como a…