Produtores rurais exigem providências do Estado em relação à depredação de propriedades na região

A invasão da Fazenda Mutamba, pertencente à família Mutran, no último domingo, 23, por um grupo armado que destruiu a sede da propriedade, as casas dos empregados e todos os veículos e implementos, vem causando manifestações de indignação no meio dos produtores rurais. O Sindicato dos Produtores Rurais de Marabá expediu nota (leia abaixo) exigindo medidas severas dos órgãos de Segurança Pública do Estado. O produtor rural Maurício Fraga Filho, que faz parte da diretoria do Sindicato Rural, ouvido pelo Zeca News, disse que o que aconteceu é inaceitável, já que a Fazenda Mutamba já teve três reintegrações, “foi declarada pela Justiça como produtiva e cumpre a função social e ambiental”. “A propriedade não pode ficar sujeita a um crime, a uma depredação dessa. A secretaria de Segurança Pública tem de tomar providências com relação a isso”, protesta Fraga. Ele questionou ainda sobre o fato de que, por ocasião do episódio da Fazenda Santa Lúcia, em Pau D’Arco, a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Pará esteve naquele município prestando assistência aos supostos camponeses: “Agora, nós gostaríamos que essa mesma comissão fosse visitar a Fazenda Mutamba e avaliasse os danos causados, tanto para o proprietário da fazenda quanto para os trabalhadores”. Indagado se o Sindicato Rural fará alguma manifestação pública, Maurício Fraga disse que não haverá protestos, mas, diante das conversas que tem tido com a Secretaria de Segurança Pública do Estado e diante das manifestações nas redes sociais, espera ter uma resposta acerca dos fatos quem vêm ocorrendo. Um advogado que atua…

SAÚDE: HMM TEM AVALIAÇÃO POSITIVA DE ATENDIMENTO

Há pouco mais de seis meses, no início desta administração, mais de 80% dos pacientes reclamavam do atendimento no Hospital Municipal de Marabá (HMM), especialmente no que tange ao tempo de espera entre a triagem e a consulta médica ou procedimento a ser realizado. Agora, a opinião dos usuários é de que o atendimento daquela casa de saúde esteja dentro da média. O paciente Antônio Carlos Carvalho, lapidador, de 23 anos, acidentado por uma queda na rua, considerou hoje o atendimento para o raio-x um pouco demorado, mas releva diante do número de pessoas, achando que por isso está dentro de suas expectativas. Maria de Fátima dos Santos, de 50 anos, também aguardando atendimento no raio-x, disse ter chegado por volta de 7h30 na triagem e estava prestes ao atendimento às 9h30, tempo que ela considera normal. Por sua vez, Eliana Oliveira, de 49 anos, que acompanhava o pai de 79 anos, com possíveis problemas cardíacos, disse que ontem ele foi atendido com rapidez, na emergência, pelo médico de plantão. Mas, no retorno, esta manhã, estava um pouco demorado, no ambulatório, o que ela atribui a grande procura por consultas. As entrevistas feitas na manhã desta segunda-feira, 24 de julho, conferem com pesquisa realizada internamente pelo hospital. Segundo Sidney Miranda Júnior, diretor administrativo do HMM, o número de reclamações giram em torno de 40% do total de pacientes atendidos. 60% dos pacientes classificam como bom o atendimento.   Ainda de acordo com o diretor administrativo do HMM, aquele hospital estava em reforma no Pronto Socorro, o que…

Circuito Nacional do Setor Elétrico ocorrerá em Belém

O Congresso de dois dias abordará temas que envolvem toda a cadeia do setor elétrico, desde a geração até o consumo A 28ª edição do Circuito Nacional do Setor Elétrico (CINASE), tradicional congresso itinerante do setor elétrico brasileiro, ocorrerá nos dias 02 e 03 de agosto em Belém. O evento deve levar conhecimento técnico e atualizado para os profissionais da região. Criado em 2010 pela Atitude Editorial, que edita a revista O Setor Elétrico, o CINASE é composto por congresso e área de exposição.  O encontro deve discutir as principais técnicas e tecnologias envolvendo toda a cadeia do setor elétrico, desde a geração até a instalação elétrica final de baixa e média tensão. O congresso tem a coordenação do engenheiro Jobson Modena, especialista em proteção e aterramento, coordenador da comissão que revisou a recém-publicada ABNT NBR 5419 (SPDA); e do engenheiro José Starosta, especialista em eficiência energética, ex-presidente da Abesco (Associação das Empresas de Conservação de Energia). As palestras serão ministradas por especialistas com experiência comprovada em suas áreas de atuação e seguem um cronograma organizado que parte da geração até chegar às instalações propriamente ditas. Na edição paraense, o CINASE será iniciado pelos representantes da Celpa, que farão uma ampla e didática apresentação sobre os sistemas de medição por telemetria, que já vêm sendo implantados com sucesso em algumas regiões do Estado. A concessionária também fará uma exposição a respeito da “Conexão Marajó”, o projeto que está conectando as cidades da Ilha do Marajó ao Sistema Interligado Nacional e, com isso, desativando gradativamente as…

POLICIA AINDA NÃO TEM PISTAS DE QUEM MATOU DEMÉTRIUS RIBEIRO

O Disque Denuncia Sudeste do Pará lançou nesta segunda feira (24), o cartaz de “quem matou?” o empresário Demétrius Ribeiro,com o objetivo de auxiliar a polícia a identificar as pessoas que cometeram o crime.

Nesta segunda feira 24 em entrevista  a imprensa local, a delegada Raíssa Belebone da delegacia de homicídios de Marabá disse que ainda não tem pista que possa ajudar a elucidar o crime. 

Quem tiver alguma informação que possa ajudar nas investigações entre em contato com o Disque Denuncia Sudeste do Pará.

 

O assassinato de Demétrius Ribeiro ocorrido na última sexta-feira (21) à luz do dia, em Marabá, está sob investigação sigilosa da Polícia. Vários bens da guseira de Demétrius, a Usimar, serão leiloados em agosto para quitar dívidas trabalhistas. O crime ocorreu às 8h30 da última sexta-feira, em meio ao intenso tráfego na Folha 33. Dois motoqueiros se aproximaram do carro do empresário e o alvejaram. A esposa, que estava ao lado, não foi atingida. Maranhense, Demétrius trabalhou com comunicação e siderurgia, foi suplente de Mário Couto no senado, ganhou o título de Empresário do Ano e enfrentava problemas financeiros desde 2013. Chegou a escrever um livro, intitulado “Do Aldo do Côco ao Senado”

Compartilhe:

Senar Núcleo Carajás já ministrou cursos para 1.720 pequenos produtores este ano

O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) já ministrou 86 cursos este ano no Núcleo Carajás, formando 1.720 pessoas em atividades rurais e outras com o objetivo de gerar renda. O balanço foi feito ao Zeca News pelo assessor técnico Virgilino Camargo. Ele explica que o Núcleo Carajás é formado por 17 municípios desta região, na área delimitada por Rondon do Pará, Jacundá, São Geraldo do Araguaia, Piçarra e Canaã dos Carajás.

Virgilino explica a capacitação é feita por meio dos sindicatos rurais da região. “São 154 cursos destinados a pequenos, médios e grandes produtores rurais. Entre outros são ofertados, inseminação artificial, operação e manutenção de máquinas agrícolas, horta, piscicultura e até corte e costura para as senhoras”, explica o assessor.

Os sindicatos ou associações de produtores requisitam os cursos ao Núcleo Senar, que envia as solicitações ao órgão estadual e este envia os técnicos para ministrarem o treinamento. “Muita gente diz que o trabalho do Senar é destinado aos grandes produtores, mas, não. Em verdade os maiores beneficiados são os pequenos. Agora, o nosso trabalho não aparece porque, ao contrário da maioria cursos, e o instrutor que vai onde a comunidade está”, detalha Virgilino Camargo.

“O Senar faz cursos para quem precisa aprender”, afirma que, lembrando, por exemplo, que muitos assentamentos recebem os cursos do Senar, pois, são colocados na terra sem assistência técnica alguma. “Então, onde tem aluno, nós levamos o instrutor”, conclui ele.

Maiores informações podem ser obtidas pelo celular (94) 9156-2380.

Compartilhe:

Hospital Regional de Altamira cria suporte de notebook para segurança do trabalhador

  Os notebooks ou laptops já viraram parte da rotina diária das pessoas. Na casa, no trabalho, na escola ou faculdade, é comum ver gente utilizando os computadores portáteis. E que tal otimizar esta experiência ao criar um suporte que dê mais conforto ao usuário durante a utilização do notebook?  Foi isto que fez o Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT), por meio do setor de Gestão de Pessoas na unidade. Há cerca de um ano, durante o projeto “Dê Asas”, a unidade começou a fabricar estes suportes, a custos muito baixos. Isto porque se reutilizam canos de PVC que estão sem serventia, no setor da Manutenção, para a confecção dos novos materiais. “O suporte, além de ser muito barato, também leva em conta a questão ecológica, pois damos mais utilidade a estes materiais, reaproveitamos e evitamos a poluição do meio ambiente”, explica o técnico em Segurança do Trabalho, Loghan Marinho. A ideia é que cada colaborador que trabalhe com um computador portátil tenha seu próprio material para uso na unidade. A confecção é simples, os canos são montados para ficarem no formato do suporte. “Temos o apoio do setor de Manutenção. Apresentamos o projeto e eles executam. Você pega um metro de cano para fazer o suporte. O trabalho a mais é a pintura, para deixar o suporte mais bonito. Mas a relação custo-benefício é muito boa”, complementa Loghan. Mais conforto e menos chances de lesão O grande objetivo dos suportes é dar mais comodidade e conforto aos colaboradores no ambiente de trabalho. “Ele…

Grupo armado invade e destrói sede, veículos e implementos da Fazenda Mutamba

Equipes da Delegacia de Conflitos Agrários (Deca) e Polícia Militar estiveram no final da manhã de ontem, domingo (24), na Fazenda Mutamba, em Marabá, acompanhadas de peritos do Centro de Perícias Científicas “Renato Chaves”, a fim de fazer um levantamento e colher as primeiras informações sobre a invasão à propriedade, ocorrida por volta das 7h30. A fazenda fica na Rodovia BR-155 a 50 km da sede municipal e pertence à família Mutran.

Relatos de famílias e funcionários da fazenda dão conta de que um grupo armado, estimado em 60 pessoas, atacou a sede da fazenda, onde destruiu casas, incendiou veículos e implementos agrícolas e colocou os empregados para correr. Os seguranças propriedade, pegos de surpresa, só tiveram tempo de salvar as famílias.

As informações dão conta de que houve tiroteio e um segurança teria saído ferido e conduzido ao Hospital Municipal de Marabá, mas sem risco de morte.

Segundo apurou o delegado Alexandre Silva, o ataque teria sido uma retaliação de um grupo retirado recentemente da fazenda por determinação da Justiça. Na incursão de ontem, da Deca, ninguém foi preso.

Compartilhe:

Posto 2000 oferece muito mais que combustível à clientela. Lá tem de tudo e seu carro roda muito mais!  

Sem solução para gerar novas receitas, o governo aumentou, desde a última sexta-feira, 21, as alíquotas dos impostos cobrados sobre os combustíveis. Dobrou as alíquotas do PIS e Cofins da gasolina e elevou em 86% a do óleo diesel. Com isso, o governo espera arrecadar R$ 10,4 bilhões até o final deste ano. Em Marabá, assim como no restante do País, o impacto foi sentido não só por proprietários de veículos, mas também pelo comércio de combustíveis. Segundo o empresário Rogério Lustosa, proprietário do Posto 2000, de bandeira Ipyranga, a elevação das alíquotas representa um aumento que varia entre R$ 0,41 e R$ 0,52 no preço dos combustíveis. E mesmo quem tem estoque do produto não pode deixar de aumentar o preço na bomba e Lustosa explica o motivo: “Quem tem estoque e vende pelo preço anterior, com certeza não consegue repor seu estoque com o preço atual porque, com o aumento, isso se torna economicamente impossível”. E, no final das contas, na ponta do negócio, na bomba, mesmo com o aumento, o comerciante nem chega a ganhar o mesmo valor do reajuste. Rogério Lustosa afirma que é difícil estabelecer um preço padrão para o combustível, “pois varia de posto para posto”, mas, no Posto 2000, o litro da gasolina custa R$ 4,11 e o do diesel S-500 está a R$ 3,35. Atendimento E, se o combustível teve aumento no preço, o cliente exige também tratamento diferenciado e isso é o que não falta no Posto 2000. “Temos um tratamento diferenciado, fundamentado dentro da política…

 Nota de Pesar pela Morte do empresário Demétrius Ribeiro

 O deputado federal  Beto Salame (PP/PA)  vem manifestar o mais profundo pesar pelo falecimento de Demétrius Ribeiro , ocorrido na manhã desta sexta-feira, 21 de julho,  assassinado com diversos tiros enquanto aguardava o semáforo abrir, na Folha 33, do Núcleo Nova Marabá, em Marabá, por volta das 8h30 da manhã.

O empresário Demétrius Ribeiro contribuiu com o desenvolvimento do município e região no ramo de ferragem como dono da empresa  Diferro e como industrial de destaque na Siderúrgica Usimar. Na saúde comprou o Hospital Celina Gonçalves, vendendo ao Governo do Estado que o  transformou em Hospital Regional do Sudeste do Pará.  Investiu na comunicação adquirindo a TV Eldorado e a Rádio Itacaiúnas. Na politica foi suplente de senador  chegando a escrever a auto biografia no livro “Do Alto do Coco ao Senado”, contando sua trajetória, do nascimento no interior do Maranhão até alcançar a  suplência do senador da República Mário Couto de 2007/15.

Beto Salame lamenta a violência que impera na região com assassinatos brutais no campo e na cidade demonstrando a total falta de segurança em Marabá e municípios vizinhos.

O momento é de pesar, de dor, de união e de indignação por tamanha violência a que estamos expostos.

Marabá, 21 de julho de 2017

Beto Salame

Deputado Federal 

Compartilhe:

Ato Denúncia em solidariedade as famílias do Acampamento Hugo Chávez

Nesta sexta feira (21) as 19 horas a UNIFESSPA e o IFPA realizam ato-denúncia sobre a violência contra trabalhadores do campo no Sul e Sudeste do Pará.
A atividade é parte da jornada de atividades realizada por instituições e organizações que além de prestar solidariedade as famílias acampadas têm feito a denúncia publica da violência na região.
No último mês os acampamentos Hugo Chávez e Frei Henri sofreram várias investidas dos latifundiários e pistoleiros que ameaçam as famílias com disparos em direção ao acampamento, ateiam fogo as roças e barracos e montam guarda na entrada das áreas intimidando os trabalhadores.
Preocupados com o prenúncio de morte que ronda a vida dos trabalhadores e lideranças a UNIFESSPA e o IFPA realizam atividade de solidariedade e lançam um abaixo assinado onde solicitam das instituições como INCRA, Promotoria e Ministério Público ações para resolver os conflitos e resguardar a vida das pessoas.
De acordo com a CPT só no primeiro semestre de 2017 foram registrados 25 assassinatos na região da “Amazônia Legal”.
A atividade conta ainda com a participação de cineastas internacionais e uma deputada do parlamento europeu, as organizações acreditam que com a internacionalização das denúncias seja possível chamar atenção das autoridades para evitar mais mortes.
A comissão que organiza a jornada de atividades contra a Violência no Sul e Sudeste do Pará na segunda feira (24) antes de protocolar os abaixo assinados nos órgãos públicos, darão uma coletiva de imprensa para apresentar o documento final.

Compartilhe: