ENTREVISTA EXCLUSIVA Brasil é um país de política histérica, afirma padre Zezinho

 

“O Brasil é um país histérico, de política histérica, onde um ataca o outro e não são capazes de dialogar”. É o que afirma o sacerdote dehoniano, José Fernandes de Oliveira, o padre Zezinho, em entrevista exclusiva à equipe do Repórter CN. Além de política, o sacerdote falou sobre evangelização, cidadania, fé e seus trabalhos atuais.

Nas duas partes da entrevista que foram ao ar pela TV Canção Nova nos últimos domingos, o padre explica a “mística da compaixão” que une duas expressões da Igreja: a Renovação Carismática Católica e o carisma dehoniano com a espiritualidade da reparação. Padre Zezinho recorda os anos em que conheceu o fundador da Canção Nova, monsenhor Jonas Abib, e destaca como os dois carismas podem caminhar juntos.

O religioso fala ainda da proporção que tomou sua evangelização nos meios de comunicação, o que muitas vezes, lhe rendeu críticas. Apesar na inevitável fama, ele afirma que nunca quis ser um padre pop star.

“Fugi muito de ser artista e de ser o homem da televisão. O brilho não estava em mim, mas ao meu redor. Nunca procurei as câmaras ou espaços para aparecer. Mas quando vinha, eu aceitava. Nunca procurei essa fama, mas quando veio não fugi dela”.

 

Compartilhe:

Condutas vedadas a agentes públicos em período eleitoral

A legislação eleitoral proíbe aos agentes públicos, servidores ou não, diversas condutas passíveis de alterar a igualdade de oportunidades entre os candidatos nas eleições. As vedações estão no artigo 73 da Lei das Eleições (Lei nº 9.504/97) e são replicadas na Resolução TSE nº 23.457/2015, que trata da propaganda eleitoral, do horário gratuito no rádio e na TV e das condutas ilícitas na campanha de 2016. O artigo estabelece penalidades que vão desde multa até a cassação do registro ou do diploma do candidato eleito que desrespeitar as proibições impostas. Entre as restrições contidas no artigo, o agente público não pode ceder ou usar, em benefício de candidato, de partido ou de coligação, bens móveis ou imóveis pertencentes à administração direta ou indireta da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. No caso, aqui é aberta uma ressalva para a realização de convenção de partido. Também não é permitido o uso de materiais ou serviços, custeados pelos governos ou casas legislativas, que ultrapassem as limitações contidas nos regimentos e normas dos órgãos que integram. E ainda ceder servidor público ou empregado da administração direta ou indireta federal, estadual ou municipal do Poder Executivo, ou usar de seus serviços, para comitês de campanha eleitoral de candidato, de partido ou de coligação, durante o horário de expediente normal, salvo se o servidor ou o empregado estiver licenciado. O agente público não pode fazer ou permitir uso promocional em favor de candidato, de partido ou de coligação, de distribuição gratuita de bens e serviços de caráter…

WLAD TEM MANDATO CASSADO

O parlamentar ainda poderá recorrer da decisão A Corte do Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA) julgou, em unanimidade, pela cassação do diploma de mandato do deputado federal Wladimir Afonso da Costa Rabelo por violação ao art. 30-A da Lei 9.504/1997, configurando o ato de arrecadação e gastos ilícitos em campanha eleitoral. A decisão foi proferida na sessão de julgamento dessa sexta-feira (08), na Plenária do TRE-PA. A representação foi proposta pelo Ministério Público Eleitoral e teve a relatoria da Juíza Federal Lucyana Said Daibes Pereira, que a partir das provas produzidas concluiu pela existência de gastos eleitorais não escriturados na prestação de contas e indícios de falsidade documental, que, em conjunto, alcançaram o montante de R$410.800 mil de recursos financeiros. Da decisão da Justiça Eleitoral do Pará cabe recurso ao Tribunal Superior Eleitoral com efeito suspensivo.   No pedido que fez ao Tribunal para que condenasse o deputado, o Procurador Regional Eleitoral do Pará, Bruno Valente, afirmou que as graves omissões encontradas na prestação de contas de Wladimir Costa impedem a verificação sobre a regularidade da campanha. “E mais, demonstram total desprezo com a demonstração de regularidade, uma vez que foram identificadas despesas não contabilizadas e, consequentemente, sem comprovação da origem dos recursos arrecadados (caixa dois)”, diz no processo. A prestação de contas do político já havia sido impugnada e foi rejeitada pelo pleno do TRE em sessão de 2014. O processo do MP Eleitoral se baseia em pareceres técnicos do próprio Tribunal que apontam abuso de poder econômico e listam todas as despesas…

LEILÃO DE BEZERROS DA FAZENDA REVEMAR COMERCIALIZA MIL E QUATROCENTOS ANIMAIS

NESTA SEXTA FEIRA ACONTECEU LEILÃO PRESENCIAL DE TOUROS REVEMAR FORAM VENDIDOS 125  TOUROS.  
 
Leilão comercial de bezerros do grupo Fazenda Revemar comercializou cerca mil e quatrocentos animais, muitos compradores compareceram ao evento no parque José Francisco Diamantino na Expoama, os negócios superaram as expectativas nesta quinta feira 7/7.
Nesta a sexta feira oito de julho encerrou por volta das 18hs o leilão presencial de touros Revemar, foram  leiloados cento e vinte cinco animais, todos provados e avaliados, pronto para utilização.
“O  leilão Touros Revemar gera oportunidades e grandes negócios, agradecemos a todos da região que participaram conosco, fortalecendo a atividade pecuária em Marabá, e nos arredores”, pontua, Odilon José Claudino Soares, gerente administrativo, e financeiro da Fazenda Revemar”.
09/07 – Leilão Agropecuária Santa Bárbara – 13 h e 19 h
10/07 – Leilão Fazenda Escondida – 13 h

Compartilhe:

Expoama 2016 Passos para a criação da Acripará

Expoama 2016 Pecuaristas dão primeiros passos para criar Associação de Criadores do Estado Segundo a Agência de Defesa Agropecuária do Pará, o Estado tem mais de 21 milhões de cabeças de gado, que o coloca no ranking de 4º maior rebanho do país e o maior exportador de boi vivo do Brasil. Já a Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas coloca o Pará na 5ª colocação com 19 milhões de reses. Das propriedades cadastradas na Adepará, 111 mil 621 trabalham com a bovinocultura.   Apesar do número elevado, o Estado não possui uma Associação de Criadores de Pecuária de Corte, mas no ano passado já foram dados os primeiros passos para montar a Acripará.   Uma nova reunião para formar a associação será realizada na 30ª Exposição Agropecuária de Marabá, no dia 9 de julho, às 9 horas, no Parque de Exposições José Francisco Diamantino, com a presença de Francisco Manzi, Superintendente da ACRIMAT, Associação dos Criadores do Mato Grosso, a mais forte do Brasil.   Para Manzi, “a associação é importante porque luta por assuntos específicos, nesse caso, exclusivamente a pecuária de corte, dessa forma é possível ter mais força e representatividade”. A Acrimat tem 46 anos de existência, é a mais forte no país com 3000 membros, e hoje é a entidade que representa o país na Aliança Internacional da Carne, já que o país não tem uma associação nacional.   Ele virá a Marabá para explanar aos produtores as vantagens de se formar uma associação que é uma entidade independente…

COMÉRCIO DE MARABÁ

Trabalhadores têm reajuste de 9,42% Sindecomar assinou ontem homologação do acordo coletivo da categoria, que comemora reajuste baseado no INPC Sindicato dos Trabalhadores do Comércio de Marabá, Sindecomar, assinou na tarde de ontem a homologação Nova Convenção Coletiva de Trabalho do Comércio em Geral, negociada com o sindicato patronal, Sindicom, no início do mês de julho. O reajuste solicitado pelo Sindecomar era inicialmente de 15%, mas fechou com negociação de 9,42%. Os repasses do reajuste começarão a cair na conta dos trabalhadores no final deste mês de julho, já que o período começa em maio de todo ano, sendo pago nesse caso, o valor retroativo de dois meses mais o reajuste. O documento está sendo enviado hoje para homologação no Ministério do Trabalho em Marabá. A reunião contou com a presença do presidente Mivaldo Oliveira, vice-presidente João Luiz, secretária geral Sheila Rodrigues, diretor de Formação Sindical João Fernandes de Arruda e assessoria jurídica, Marlon Pereira. Segundo Mivaldo Oliveira, presidente do Sindecomar, houveram três tentativas de negociação do reajuste com o Sindicom no mês de maio, que culminaram com o reajuste de 9,42%. “Sabemos que merecemos os 15%, mas entendemos a crise que o Brasil e Marabá está passando, por isso aceitamos os 9,42% que foi o valor do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), relativo ao período de maio de 2015 a abril de 2016”, explica ele. O documento está sendo enviado hoje para homologação no Ministério do Trabalho em Marabá. CONTRATAÇÕES Há seis meses no comando do Sindecomar, Mivaldo aguarda melhorias na contratação…

Incra envia nota ao Zeca News para esclarecer sobre transparência no Iprocesso de distribuição de terras no Sul e Sudeste do Pará

Nota de esclarecimento Com relação às recentes matérias veiculadas na imprensa sobre a Sentença da Justiça Federal, que trata da transparência no processo de distribuição de terras no Sul e Sudeste do Pará, a Superintendência Regional do Incra do Sul do Pará informa que: Está em curso em todo o país um processo de regulamentação do processo de seleção das famílias beneficiárias do Programa Nacional de Reforma Agrária; Com a recente edição do Decreto Nº 8.738 de 03 de maio de 2016, houve o aperfeiçoamento dos procedimentos de seleção das famílias candidatas, de verificação das condições de permanência do beneficiário e das ocupações irregulares dos projetos de assentamento, dentre outros; Ainda está em discussão no Incra Sede, em Brasília, a Instrução Normativa que define o rito para operacionalização destas ações; A Superintendência Regional do Incra do Sul do Pará mantêm diálogo permanente com a Justiça Federal e o Ministério Público Federal, no sentido de esclarecer as ações realizadas, demonstrando todos os entraves existentes no cadastro e seleção de famílias e na supervisão ocupacional dos assentamentos da região. Exemplo disso é que, dia 15 de março deste ano, houve realização da Inspeção Judicial na sede do Incra em Marabá, com a presença do Juiz Federal Marcelo Honorato, titular da 1ª Vara Federal, e da Procuradora da República Nathália Mariel. A gestão do Incra compartilha a necessidade de melhoria dos procedimentos de regularização com a Justiça Federal e Ministério Público Federal. No entanto, há questões pontuais na Sentença que serão analisadas pela Procuradoria Federal Especializada do Incra,…

Motoristas devem usar farol baixo em rodovias a partir de desta sexta

Conforme determinação da Lei Federal nº 13.290/2016, a partir desta sexta-feira (08), passa a ser obrigatório o uso dos faróis de luz baixa pelos veículos de qualquer categoria à noite e durante o dia em túneis com iluminação pública e rodovias. Por serem municipalizadas, as rodovias dentro perímetro urbano de Maceió não estão submetidas a esta determinação.

“Como algumas rodovias de Maceió possuem características urbanas, a fiscalização não necessita ser realizada pelos agentes de trânsito”, explica o superintendente da SMTT, Dário César Barbosa. De acordo com o anexo I do Código de Trânsito Brasileiro, rodovia diz respeito à via rural pavimentada.

Com isso, fica livre a circulação de veículos sem a obrigatoriedade do uso dos faróis de luz baixa nas avenidas Durval de Goés Monteiro, Fernandes Lima, Menino Marcelo (também conhecida por Via Expressa), Edgar de Goés Monteiro e Deputado Serzedelo de Barros Corrêa (BR-316 até o Catolé) e Lourival Melo Mota (BR-104 até a entrada do Conjunto Eustáquio Gomes). Todas são rodovias federais com circunscrição municipal por possuírem características urbanas e fiscalizadas pela SMTT por meio de convênio.

“O uso dos faróis de luz baixa nas condições estabelecidas pela nova legislação é fundamental para a segurança viária em vias onde a velocidade máxima supere os 60km/h e onde a iluminação é precária, como nas demais rodovias rurais. Há uma melhora na visibilidade dos veículos tanto de noite quanto de dia, aumentando a segurança viária e evitando acidentes graves.

Compartilhe:

Justiça obriga Incra a distribuir terras com mais transparência e participação na região de Marabá (PA)

Sentença foi publicada em processo aberto a partir de ação do MPF A Justiça Federal em Marabá, no sudeste do Pará, determinou que o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) publique editais de inscrições no programa de reforma agrária para garantir ampla participação da sociedade e também transparência ao processo de distribuição de parcelas de terras. A ordem judicial decorreu de sentença proferida pela 1ª Vara, ao apreciar ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal (MPF) contra a autarquia, após detectar a existência de pessoas que jamais foram atendidas pelo programa. Durante a tramitação do processo ficou comprovado que o Incra não controla as inscrições nem a seleção dos candidatos para serem beneficiados pelo programa, tarefas exercidas em quase absoluto monopólio pelos movimentos sociais, sob forte omissão estatal. Tais deficiências foram evidenciadas tanto em inspeção judicial, como em recente acórdão do Tribunal de Contas da União (acórdão 775/2016), que, inclusive, suspendeu a distribuição de lotes da reforma agrária em todo o Brasil. Na sentença (leia aqui a íntegra), o juiz federal Marcelo Honorato diz que “a distribuição de terras passa por um crivo dos movimentos sociais, sem que se obedeça à impessoalidade entre os cidadãos cadastrados ou que venham a desejar o acesso às terras da reforma agrária. Em resumo, se o pretendente for aliado aos movimentos sociais de agora, receberá uma parcela de terras, se do passado ou se jamais se compatibilizou com os métodos de acesso a terra defendidos por tais movimentos, definitivamente, estará impedido de conseguir seu lote de…

Aonde vamos parar com tanta carestia !!!

Segundo o Dieese, alimentação em Belém está entre as 7 mais caras do país
Uma pesquisa divulgada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) nesta segunda-feira (11), em Belém, apontou que a cesta básica dos paraenses fechou o primeiro trimestre deste ano com alta acumulada de quase 18%, situando-a entre as sete mais caras do país.

De acordo com o levantamento do Dieese, a maioria dos produtos que compõem a cesta básica apresentou alta nos preços, sendo a única exceção o tomate, que apresentou queda de 1,91%. Entre os alimentos que sofreram os maiores reajustes estão a farinha de mandioca (4,71%), manteiga (4,15%), feijão (3,96%), óleo de soja (3,79%), banana (3,68%), pão (3,32%), café (2,84%), leite (2,7%), carne bovina (1,5%), açúcar (0,86%) e arroz (0,40%).

Com base nos dados, em março deste ano, o assalariado precisou trabalhar 103 horas e 28 minutos e comprometer 51,12% do salário mínimo, ou seja,  R$ 413,87, para garantir à mesa os 12 itens básicos da alimentação.

 

Compartilhe: