Papa nomeia bispo para prelazia de Marajó. Confira o Cartaz do Cirío de Belém e o Tema de Marabá

O Papa Francisco acolheu, nesta quarta-feira, 1º, o pedido de renúncia apresentado pelo bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom José Luís Azcona Hermoso, OAR, de acordo com o cânon 401, parágrafo 1, do Código de Direito Canônico.

No mesmo ato, o Santo Padre nomeou frei Evaristo Pascoal Spengler, OFM, como bispo da mesma prelazia. Atualmente, frei Evaristo atua como vice-ministro da Província Franciscana da Imaculada Conceição e como secretário do Secretariado da Evangelização.

No mesmo ato, foi acolhido pedido de renúncia de Dom José Luís Azcona Hermoso

Frei Evaristo Spengler é natural de Gaspar (SC). Nasceu em 29 de março de 1959. Ingressou no Seminário Santo Antônio, em Agudos (SP), aos 17 anos. Cursou Filosofia e Teologia no Instituto Franciscano de Petrópolis (RJ). Possui especialização em Bíblia e pós-graduação em Teologia Bíblica pelo Studium Biblicum Franciscanum, em Jerusalém.

Realizou a profissão solene na Ordem dos Frades Menores de 2 de agosto de 1982, na diocese de Petrópolis (RJ). Foi ordenado diácono em 21 de novembro de 1982 e presbítero, no dia 19 de maio de 1985.  

Na trajetória sacerdotal, atuou como pároco nas paróquias Sagrado Coração de Jesus, em Petrópolis (1983-1985); Nossa Senhora da Piedade, em Duque de Caxias (1985-1991); Nossa Senhora da Conceição, na diocese de Nova Iguaçu (1995-1996). No período de 2001 a 2010, esteve em missão na Angola. Foi presidente da Fundação Imaculada Mãe de Deus de Angola (2003-2006). Exerceu a função de vice-mestre de estudantes de Teologia (2013-2015) e Conselheiro da Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil (2012-2015).

Compartilhe:

CÂMARA ENVIA NOTA DE DE ESCLARECIMENTO AO ZECA NEWS SOBRE BLOQUEIO DE BENS DE VEREADORES E EX-VEREADORES

A Câmara Municipal de Marabá, através de seu Presidente, vem a público esclarecer notícias veiculadas na imprensa local acerca do bloqueio de bens de vereadores e ex-vereadores por determinação liminar do juízo da 3ª Vara Cível de Marabá, atendendo ao pedido do Ministério Público em ação civil pública.

Insta esclarecer a opinião pública que todos os vereadores e ex-vereadores no período de 2005 a 2006 receberam o pagamento de diárias e as utilizaram efetivamente em viagens realizadas no interesse do município de Marabá, razão pela qual é descabida a pretensão de ressarcimento ao erário municipal do montante recebido a título de diárias.

Causou surpresa a este Poder Legislativo a liminar deferida, que impôs aos vereadores e ex- vereadores constrangimento e indevida execração pública.

Esclarecemos, por fim, que nenhum dos vereadores e ex-vereadores foi condenado nem cometeu atos de improbidade administrativa, portanto não há que se falar em inelegibilidade. Assim, acreditamos que, após análise da documentação e dos argumentos apresentados pelos parlamentares, o juízo da 3ª Vara Cível de Marabá há de determinar o desbloqueio dos bens e ao final julgar improcedente a Ação Civil Pública.

Marabá- PA, 1º de junho de 2016

MIGUEL GOMES FILHO

Presidente da Câmara Municipal de Marabá

Compartilhe:

VEREADORA SE DEFENDE DA AÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO SOBRE BLOQUEIO DE BENS

 Vanda diz que os  vereadores ainda não tiveram o direito de defesa e o legislativo ainda não foi notificado  A Câmara Municipal de Marabá ainda não foi notificada sobre a Ação Civil Pública do Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) que determinou o bloqueio dos bens de 13 vereadores e ex-vereadores de Marabá por atos de improbidade relativos ao exercício financeiro de 2005 e 2006. A informação foi da vereadora Vanda Regia Americo Gomes (PSD), em entrevista. De acordo com Vanda, o problema começou com um termo utilizado pelo vereador Adelmo Azevedo (PTB) de forma errada. Além disso, ela informa que justamente nos anos de 2005 e 2006 foram os anos que os vereadores mais viajaram para Brasília, para articular o projeto de emancipação do estado de Carajás. “Toda vez que havia uma reunião sobre o assunto estávamos em Brasília com os deputados Asdrúbal Bentes e Giovani Queiroz”, declara. Além disso, ela explica que na ocasião houve também a morte de Julio Mutran, ocasião que estiveram várias vezes em Brasília. Na ocasião foram visitados 81 senadores, 513 deputados federais várias vezes para o convencimento do plebiscito sobre Carajás. Além disso no governo Veloso e Tião, Vanda explica que os vereadores viajaram para conseguir recursos para o pescado e outras demandas de Marabá. “Como até hoje fazemos, viajamos para ir atrás de recursos”, explica. Para ela o problema maior é que os vereadores ainda não tiveram o direito de defesa, que o farão perante a Justiça. “Eu nunca fui chamada. Eu não estou inelegível e…

REFORMA AGRÁRIA:DEPUTADO WLAD (SD) DO PARÁ COMANDARÁ INDICAÇÕES NO INCRA

Secretaria do Desenvolvimento Agrário. Será vinculada diretamente à Presidência da República — não mais ao Desenvolvimento Social, e o deputado Zé Silva (SD-MG) comandará a secretaria subordinado a Elizeu Padilha – Ministro Chefe da Casa Civil.

No Pará

O deputado federal Wlad Costa (SD) vai comandar as indicações das superintendências de Santarém, Belém e Marabá.

Compartilhe:

BETO SALAME APOIA MEDIDAS DE COMBATE AO ESTUPRO COLETIVO

Nos últimos dias, o Brasil foi abalado com a denúncia de um estupro cometido por diversos criminosos contra uma jovem de apenas 16 anos em uma comunidade da cidade do Rio de Janeiro.

A violência, atroz por sua própria natureza, mostrou-se ainda mais aviltante quando vídeos e áudios de participantes do crime foram postados através das mídias sociais.

É preciso repudiar com todo o vigor a violação sofrida pela vítima, privada de sua integridade física e tendo sua intimidade exposta à curiosidade de milhões de pessoas.

A Câmara Federal, em boa hora, decidiu compor uma comissão que vai acompanhar a apuração do crime e se certificar que os culpados sejam identificados e punidos na forma da lei.

Entendo que, nos últimos anos, avançamos na luta pela igualmente de direitos entre homens e mulheres e na proteção às vítimas de violência sexual e doméstica. Mas, é preciso avançar ainda mais.

Leis mais duras, que aumentem a pena para crimes sexuais praticados por bandos ou quadrilhas, e o aperfeiçoamento dos serviços de proteção às vítimas e testemunhas desse tipo de crime, são algumas das medidas que precisamos discutir no âmbito da Câmara Federal.

Além de expressar repulsa a esse ato de barbárie, deixo aqui minha solidariedade a todas as mulheres vítimas de violência e reafirmo meu compromisso de apoiar medidas que venham combater essa prática que atenta contra a civilização e a própria natureza humana.

Beto Salame
Deputado Federal

Compartilhe:

Vale conclui a venda de participação minoritária na CSA para Thyssenkrupp

A Vale informa a conclusão da transação anunciada em 04 de abril de 2016, transferindo a sua participação de 26,87% na Companhia Siderurgica do Atlântico (CSA) para Thyssenkrupp.

 

Como resultado da conclusão desta transação, os direitos minoritários e outros direitos participativos da Vale nos acordos de acionistas existentes da CSA e outros contratos operacionais entre a Vale e a CSA deixarão de existir, com a exceção do contrato existente de compra e venda de minério de ferro entre ambas as partes.

Compartilhe:

Prazo para Dilma entregar defesa do impeachment termina nesta quarta

Vinte dias após a abertura do processo de impeachment pelo Senado, vence nesta quarta-feira (1º) o prazo para a presidente afastada Dilma Rousseff (PT) entregar sua defesa das acusações de que cometeu crime de responsabilidade ao praticar as chamadas “pedaladas fiscais” e ao editar seis decretos de crédito suplementar sem autorização do Congresso.

No documento, a defesa de Dilma deve alegar que os atos não configuram crime de responsabilidade e que o processo de impeachment tem “vícios de origem”, porque teria sido aberto por “vingança” pelo presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Na quinta-feira (2), a comissão especial do impeachment se reúne para discutir o cronograma de atividades do colegiado nesta etapa do processo – chamada de pronúncia –, na qual os parlamentares decidem se a denúncia contra Dilma é ou não procedente e se deve ou não ser levada a julgamento final.

Na semana passada, o relator do caso, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), apresentou proposta de cronograma no qual o Senado decidiria se leva ou não o processo a julgamento entre os dias 1º e 2 de agosto.

Senadores a favor do impeachment querem agilizar as atividades e concluir esta segunda fase em julho. Parlamentares que apoiam Dilma, no entanto, consideram curto o prazo de trabalho desta etapa da comissão.

Nesta parte intermediária do processo, a comissão realizará diligências, coletará provas e ouvirá testemunhas de defesa e de acusação – para, depois, elaborar um relatório sobre a denúncia.

Fonte: G1

Compartilhe: